19.9.06

ele diz-lhe que vai actuar numa festa de uns amigos, e ela pergunta-lhe se ele seria capaz de se despir em público só para ela.

- a música é uma espécie de
contorção de corpos.
- virados do avesso...
- sabes que eu vejo-te mais dentro
quando actuas?
- como eu gostava!...

e ele foi tocar na tal festa da quinta dos amigos, mas em vez de se despir para ela vestiu-se de álcool e outros adereços.

e ela ria-se como uma perdida por ele estar tão fora, e ele achava-se capaz de tudo e improvisava como um doido, e ela continuava a rir-se.

a manha acordou e eles disseram-lhe bom dia!, e ela disse-lhes que tinham sido os primeiros, e ainda sorriram antes de adormecerem um no outro.

tinham pela frente o dia inteiro.

A minha foto
........................gra(')f.ico.ismo.onola.......... demasiado colado à palavra para ser uma outra coisa que não isto. utopia de mim, abismos da imagem arrancada e digerida.

O ROSTO À LUPA DE MIM

blog inTemporal

O dia de hoje podia muito bem ter sido um outro. Amanhã vemos isso.
Loading...